Revisitar | Descobrir Guerra Junqueiro


História Cómica-Marítima: Revisitar/Descobrir Guerra Junqueiro (Vídeo)

Texto: Francisca Basto

Narração: Castro Guedes

Design de Som: Ana Sofia Simões / Vasco Pucarinho

Música: Patrick Johansson

Instrumentos/Intérpretes: Cravo: Patrick Johansson; Flauta: Liliana Moreira; Guitarra Clássica: João Reis; Harpa: Patrick Johansson; Percussão: Patrick Johansson; Viola d’Arco: Marisa de Brito Taveira

Edição de Vídeo: Miguel da Santa

Realização: Henrique Manuel Pereira



Uma história cómico-marítima: sonorização (2)

Foi com muito gosto que embarquei na aventura de Uma História Cómico-Marítima. Já conhecia o Prof. Henrique Manuel Pereira de outras excelentes aventuras. (Quando foi apresentada A Música de Junqueiro estava eu no Brasil e julgo que aquando do lançamento de À Volta de Junqueiro me encontrava em Londres. Mas, de longe, sentia-me unido ao extraordinário projecto de Revistar/descobrir Guerra Junqueiro). Portanto, quando ele me desafiou a sonorizar o texto de Francisca Basto fiquei, claro, muito entusiasmado.

Ao avaliar o poema que sonorizei, com a ajuda da Sofia Simões, deparei-me de imediato com uma série de barreiras a ultrapassar. Por exemplo: como transportar o ouvinte para uma Nau, retê-lo ali e conseguir que ele, com prazer, nos acompanhasse na viagem?

Toda a sonorização do poema (admiravelmente interpretado por Castro Guedes), delineada e caracterizada pelo espírito português, tem por base esse Mar, que tantos alentos e desesperos nos deu. De forma cronológica vão-se apresentando as diferentes etapas do projecto Revisitar/Descobrir Guerra Junqueiro, através de alusões verbais e sonoras, pontuadas por três excelentes músicas de Patrick Johansson (especialmente compostas para este trabalho sonoro). Interpretadas por Liliana Moreira (flauta), João Reis (guitarra clássica), Marisa de Brito Taveira (viola d’arco) e Patrick Johansson (cravo, harpa e percussão) tive o prazer de as gravar e editar.

Após alguns meses de trabalho, que se estenderam desde o esboço inicial do projecto até à sua posterior edição, passando por diversas captações e recolhas de sons e falas, tivemos margem para conviver, criar, conhecer e evoluir.

A equipa estava unida e entusiasmada. Por isso, não foi difícil dar mais este “brincalhão mas sério” passo para que o nome de Guerra Junqueiro seja justamente lembrado. A sua obra e acção contagiam.

Terminada a viagem, com o belo livro e o Cd de Uma História Cómico-Marítima nas mãos, só posso estar muito contente e grato. 

(Em baixo, uma amostra de apenas uma das nossas tardes de trabalho. Portanto, não estamos todos…)

Vasco Pucarinho

Este slideshow necessita de JavaScript.



Uma história cómico-marítima: sonorização (1)

O meu contributo em Uma História Cómico-Marítima: Revisitar/Descobrir Guerra Junqueiro consistiu, essencialmente, na sonorização de uma narrativa em verso. Isto significa que, juntamente, com o meu colega Vasco Pucarinho, fui convidada a idealizar todo o ambiente sonoro que iria envolver a narrativa de forma a torná-la apelativa para o ouvinte e a transportá-lo para um outro tempo, um outro século.

O desafio adivinhava-se grande, pois iria envolver a utilização de inúmeros recursos e técnicas para a obtenção dos resultados sonoros pretendidos. No entanto, decidi, sem hesitação, embarcar na aventura e estou bastante satisfeita com o resultado final. Foi uma excelente oportunidade para trabalhar com outras pessoas, partilhar ideias, experiências e conhecimentos, e por fim, dar asas à minha criatividade.

Sofia Simões



Uma História Cómico-Marítima

 

Pediu-me que fosse breve,
Mas a minha pena… é leve.
Passo então a detalhar,
Como vim aqui parar:

Estava no bar em pé,
A tomar o meu café,
Quando alguém se aproximou,
– “Muito trabalho?” Indagou…

– “Olá Henrique! Então?
– Essas férias? Já lá vão…
– Tenho tanto que fazer!”
Respondi, sem perceber…

Só mais tarde entendi,
O alcance, do que ouvi!
Quando Henrique decidido,
Me fez um certo pedido:

– “Põe em versos um projecto?
Eu relato-lhe o trajecto…”
Sem saber da dimensão,
Respondi-lhe: – “Porque não?”

E depois, a sós comigo,
Eu pensei “E eu consigo?
Não sei se tenho talento!
Assumi… agora tento!”

Ao site e blogue acedi,
E mais uns livros eu li!
E assim entrei no projecto,
Com o Henrique por perto…

Comecei a escrever,
Arrisquei, e sem saber,
Se ia d’encontro ao pedido,
Disse assim ao meu amigo:

– “Olhe que se não gostar”,
– Eu não me vou importar!”
– “Mas é isto que eu quero!”
– Disse-me Henrique, sincero.

Reunimos em Janeiro,
P’ra falarmos de Junqueiro,
Das fases deste projecto,
O fim estava bem perto…

Lemos os versos por partes,
Sentados no bar das artes,
Fomos dando uns retoques,
Não há registo de choques…

E surge o conto, a história,
Pode apagar-se a memória…
Que está tudo registado!
E tudo será lembrado.

É uma história em movimento,
Com suas velas ao vento,
Contada por um barqueiro,
Distraído, mas certeiro…

– “Que título havemos de dar?”
– “A esta forma de narrar?”
É uma história e é lírica,
E é cómica e marítima!

Não preciso de dizer,
O nome que ela vai ter,
Sei que está a ser trabalhada,
Gravada, sonorizada!

Sei ainda, que estudantes,
Dedicados e brilhantes,
De Música, Som e Imagem,
Trabalham nessa Viagem.

E mais eu não vou dizer,
Apenas agradecer:
Revisitei, descobri,
Também eu me envolvi!

Obrigada ao Henrique,
Por me acolher no seu dique.
Estou mais rica, e certamente,
Não só eu, muito mais gente!

 Francisca Magalhães Basto

(SIGIQ)