Revisitar | Descobrir Guerra Junqueiro


Fiel/Na Feira da Ladra (História de um Piano) 2

Imagens da noite de 1 de Outubro, no Auditório da Fundação A LORD. Por aqui passam, além de alguns dos que connosco estiveram, Francisco Leal, Daniel Serrão, Henrique Manuel S. Pereira, Orfeão da Fundação A LORD, Joana Moreira e Joana Cristela.

Câmara e edição de Bruno Lopes.

Anúncios


Como chegar a Lordelo…

Eis então como chegar a Lordelo, no próximo sábado, dia 1 de Outubro (21h30). Clicar na imagem para ampliar:

Um abraço e até lá.



Convite



Nome de Guerra a Viagem de Junqueiro (Alord 1)

Desculpem-nos o silêncio, mas na verdade temos estado a trabalhar e, em breve, teremos mais novidades.
Entretanto, e dando início a uma nova etapa do “Revisitar/Descobrir Guerra Junqueiro”:

A Fundação A LORD, Lordelo (Paredes), associa-se à Escola das Artes da Universidade Católica do Porto para, no âmbito do projecto “Revisitar/Descobrir Guerra Junqueiro” e no quadro das comemorações do Centenário da República, prestar homenagem ao poeta de Os Simples e da Pátria.

Para o efeito, organiza, no próximo dia 01 de Outubro, pelas 21h30, uma homenagem ao poeta Guerra Junqueiro. Isto porque, como afirma Francisco Leal, Presidente da Fundação A LORD, “Guerra Junqueiro não é de Freixo de Espada à Cinta, onde nasceu, não é do Porto, que o adoptou, não é de Lisboa, onde repousa no Panteão Nacional, não é do Brasil que o idolatrou, não é de Espanha ou de qualquer outro espaço. Junqueiro é património da nossa cultura”.

A cerimónia decorrerá no auditório da Sede da Fundação A LORD e do programa fazem parte uma exposição, subordinada ao tema Nome de Guerra, a Viagem de Junqueiro, uma conferência homónima, proferida por Henrique Manuel S. Pereira, docente da Escola das Artes da Universidade Católica do Porto e coordenador do projecto “Revisitar/Descobrir Guerra Junqueiro”. A cerimónia conta ainda com apontamentos musicais (poesia de Guerra Junqueiro musicada), interpretados pelo Orfeão da Fundação A LORD e terá um dos momentos altos com o lançamento do livro duplo Fiel/Na Feira da Ladra (História de um Piano), cuja apresentação estará a cargo de Daniel Serrão, Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Desta forma, bem como no apoio dado ao documentário Nome de Guerra, a Viagem de Junqueiro, produzido pela Escola das Artes da Universidade Católica do Porto, a estrear proximamente, a Fundação A LORD prossegue o seu esforço de “democratização da cultura”.

Da exposição fazem parte: manuscritos, livros (primeiras edições), selos (dois alusivos ao centenário de Junqueiro), medalhas, bustos e quadros.



Guerra Junqueiro e Manoel de Oliveira

Será redundância a raiar o lugar-comum dizer-se que Manoel de Oliveira é o realizador português mais conceituado, quer a nível nacional quer internacional, e também um dos mais premiados em todo o mundo.

Com particular afecto pelo íntimo diálogo com a literatura, nunca se debruçou sobre a obra ou personalidade de Guerra Junqueiro. Não admira, mesmo porque o cinema, no formato longa-metragem, raramente encontrou na poesia fonte de inspiração privilegiada.

Não obstante, Manoel de Oliveira abriu O Porto da Minha Infância, filme de 2001, com versos do Poeta de Os Simples musicados por Tomás Borba e interpretados por sua mulher, Maria Isabel de Oliveira. Mais recentemente, o realizador evocou Guerra Junqueiro no âmbito do documentário que trazemos em edição. Em 21 de Maio de 2010, quis estar connosco na noite de lançamento de À Volta de Junqueiro, Vida, Obra e Pensamento. Sentimo-nos gratos, talvez com mais propriedade, sentimo-nos “comovidos e mudos”. Edição vídeo de André Guiomar.

HP



Fiel (trailer)

Recordam-se do “Fiel”? (Talvez valha a pena conferir, mais adiante, os posts 19 e 21). Se a Disney já andava de olhos neles, agora, depois deste trailer apresentado no lançamento-concerto de “A Música de Junqueiro”, consta que ficou incondicionalmente rendida. Promete-se para breve o filme.

HP



50 segundos – 600 desenhos de um cão

Na luz do seu olhar tão lânguido, tão doce,

Havia o que quer que fosse

Dum íntimo desgosto:

Era um cão ordinário, um pobre cão vadio…

Fiel 2 jpg