Revisitar | Descobrir Guerra Junqueiro


Impressões sobre a “Música de Junqueiro”

Como sabem, este blog circunscreve-se ao universo Guerra Junqueiro e mais especificamente ao Revisitar/Descobrir Guerra Junqueiro.

Que o nosso projecto cruzou fronteiras (tendo chegado a Espanha, Suíça, Brasil, França, Itália, Macau e, imagine-se, Rússia!) já o sabíamos de fonte segura e com inegável satisfação.

Porque há um tempo para cada coisa, um tempo para semear e um tempo para colher, como lembra Eclesiastes, e porque todos os dias trazem sua surpresa, fomos hoje surpreendidos com o texto “A Música de Junqueiro” – A Música para Junqueiro, integrado no livro Impressões Sobre a Música Portuguesa (ISBN 978-989-26-0119-9) do professor e pianista José Eduardo Martins.

Tratando-se de um reputado Autor brasileiro, natural de S. Paulo, o volume foi editado pela Imprensa da Universidade de Coimbra e reúne artigos académicos e textos publicados em França, Portugal e Brasil, desde 1992 até 2011. Além do mais, faz-se acompanhar de um belo CD (e será talvez o 22º gravado pelo Autor) com 40 temas de Carlos Seixas, Francisco de Lacerda, Fernando Lopes-Graça e Jorge Peixinho.

Pois, José Eduardo Martins – Doctor Honoris Causa pela Universidade Constantin Brancusi da Roménia e Académico Honorário da Academia Brasileira de Música – concede, em Impressões sobre a Música Portuguesa, generosas apreciações e páginas a A Música de Junqueiro (livro com CD duplo. UCP, Escolas das Artes, 2009). Por exemplo:

Trata-se de uma obra fundamental para o conhecimento não apenas de uma característica poético-musical do grande poeta e escritor, mas também para a compreensão de todo um processo que leva o compositor a buscar poemas que emanem “sonoridades”. Tão mais sonoros são os versos junqueirinos quão mais entendemos que, ao longo de um século, apesar de toda a trajectória da escrita composicional, os poemas de Junqueiro jamais deixaram de interessar aos músicos. Torna-se evidente que a visitação constante, na maior parte constituída de compositores expressivos, é inequívoca presença dessa imanência musical nos poemas de Guerra Junqueiro. E, bem mais adiante (p. 261), termina: Modelo a ser seguido. Assim seja, dizemos nós.

Dispensam-nos de dizer que não foi “encomenda”, pois que nem sequer temos a honra de conhecer o Autor de Impressões sobre a Música Portuguesa. O livro foi publicado na colecção “Documentos” da Imprensa de Coimbra e, para nós, é de um verdadeiro documento que se trata. O nosso reconhecimento.

http://www.uc.pt/imprensa_uc/catalogo/documentos/impressoes

Anúncios