Revisitar | Descobrir Guerra Junqueiro


Uma lágrima custa a cair

Após quase doze meses, o projecto “A Lágrima” encontra-se em fase de pós-produção. Enquadrado no âmbito das adaptações de poemas de Guerra Junqueiro, e tal como o projecto o “Fiel”, também a “A Lágrima” se revestiu dum espírito de iniciativa e experimentação, além de – temos de o admitir – de uma desmedida dose de inocência.

O desafio? Ilustrar com imagens a composição que João Mascarenhas compôs (e Isabel Martinho interpretou) para A Música de Junqueiro. Simples? Nim. A referida composição tem 5 partes e mais de 10 min. de duração! Quando começámos a analisar o poema (o Henrique, a Júlia e a Susana), as personagens Rei, Judeu e Cavaleiro “falavam” a cada um de modo diferente. Depois de termos a narrativa visual delineada, partilhamo-la com o professor Henrique Manuel Pereira. Embora tivesse uma visão diferente da nossa, não colocou entraves à nossa interpretação.

Tínhamos personificado todas as personagens. Havia, portanto, que encontrá-las. Quanto à Lágrima, foi fácil. Num único casting fotográfico, encontrámos uma que, na perfeição, combinava ingenuidade e perseverança: Sofia Oliveira.

A par da procura de cavaleiros e judeus, seguiu-se a procura de tecidos, as provas das vestimentas da Lágrima e a busca desenfreada de todos os adereços que escolhêramos.

Graças à família, aos amigos, às lojas de Chineses e a uma fantasia de carnaval alugada, começava finalmente a nossa primeira filmagem. E, ultrapassado o pormenor de fazer um esqueleto atravessar corredores, descer escadas e vestir um fato a rigor, tínhamos o nosso Rei.

Todo o processo de produção foi pautado por desafios – cavaleiros que desapareceram, adereços pintados e propositadamente costurados para as filmagens, locais de filmagem onde as temperaturas oscilaram entre o frio árctico e o calor saariano – só vencidos por força da audácia e paciência dos envolvidos no projecto.

Depois disto, surgiu ainda a ideia de que o que faltava mesmo era um toque de animação, para a qual, na última sequência e créditos finais, o Tiago Cruz iria utilizar uma técnica experimental…

Faltando agora poucos (mas ainda duros) retoques, percebemos que o que demos a esta “Lágrima” só foi possível graças à boa vontade dos nossos amigos e família.

Revisitar/descobrir Guerra Junqueiro, onde tudo isto se insere, é de facto um projecto estimulante, um projecto de amigos que querem ultrapassar barreiras criativas, tentando que a cada novo olhar sobre o Poeta, também eles (nós) se consigam ver melhor e maiores.

Henrique de Sousa

Júlia Gradim

Susana Grilo

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.